Virá a morte e verá seus olhos, de Cesare Pavese - Tradução de Anne Caroline

01/06/2020

Além de um dos maiores poetas italianos do início do século XX, Cesare Pavese foi um renomado combatente antifascista. Suicidado em 1950, deixou como obra-prima Diálogos com Leucó, a qual se soma a uma série de outros trabalhos de grande relevância. No poema abaixo, a morte, um dos seus temas mais recorrentes, aparece sob um olhar espectral e circunspecto, que remete ao mais agudo de sua experiência. A tradução fica a cargo da escritora e italianóloga Anne Caroline, que empenhou-se em manter a musicalidade dos versos originais.


Virá a morte e verá seus olhos.

esta morte que nos acompanha

de manhã até a noite, insone,

surda, como um velho remorso

ou um vício absurdo. Teus olhos

serão uma palavra vã,

um grito silencioso, um silêncio.

Assim você os vê todas as manhãs

Quando sozinho se debruças

sobre espelho. Ó querida esperança,

saberemos nesse dia também

que és a vida e não és nada.

Para todos a morte lança um olhar.

Virá a morte e verá seus olhos.

Será como desistir de um vício,

como ver no espelho

um rosto morto ressurgir,

como ouvir um lábio fechado.

Desceremos no abismo, mudos.


Verrà la morte e avrà i tuoi occhi-

questa morte che ci accompagna

dal mattino alla sera, insonne,

sorda, come un vecchio rimorso

o un vizio assurdo. I tuoi occhi

saranno una vana parola,

un grido taciuto, un silenzio.

Così li vedi ogni mattina

quando su te sola ti pieghi

nello specchio. O cara speranza,

quel giorno sapremo anche noi

che sei la vita e sei il nulla

Per tutti la morte ha uno sguardo.

Verrà la morte e avrà i tuoi occhi.

Sarà come smettere un vizio,

come vedere nello specchio

riemergere un viso morto,

come ascoltare un labbro chiuso.

Scenderemo nel gorgo muti.