Uma vez flamengo, por Victor Leandro

17/07/2020

Mais um título. No entanto verdade é que para além da bola perde feio. À direção do clube, o futebol de fato não é mais do que um esporte alienante, ou pior. Apoteose da miséria do não-político desportivo.

É isto o que mostra a trajetória de seu intercurso sócio-político. Nada de ações democráticas, é vazia sua atuação pública, ou ainda pelo contrário. Durante décadas, foi o time da Globo. Agora, é uma das equipes oficiais do não-governo, do qual extrai benesses que nem a si favorecem. Vantagens estranhas de um ciclópico liberalismo.

Mas quem se importa com isso? Estão aí as taças, e a dita nação grita obnubilada e feliz. Como disse certa vez alguém, o importante é ganhar dinheiro. Pouco interessa ter realmente grandeza. Essa é a única regra do jogo.

No mais, o que sobra é a possibilidade de um devir, no qual vislumbram-se traçadas outras linhas criadoras. Mas isso vai para as lendas. Era uma vez flamengo. Era uma vez um time que deveria ser muito e preferiu ser pequeno.


Imagem - https://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/flamengo-prepara-mosaico-para-enfeitar-o-maracana-na-final-desta-quarta-42-milhoes-com-voces.ghtml