Segundo turno em Manaus – abaixo do nada, por Victor Leandro

30/11/2020

A primeira coisa a observar nas eleições em Manaus é nossa impossibilidade de considerar que Amazonino perdeu. Pode não mais vir a ocupar a cadeira de prefeito, porém sua escola segue mais ativa do que nunca, bem como seu modo de fazer política na capital.

Do lado vencedor, viram-se as mesmas estratégias, a mesma filiação, o mesmo suporte fundamental de estruturas de governo e do poder econômico. Como diferença, apenas a presença mais massiva do conteúdo religioso, que agora indica entrar numa escalada intensa, com ares do mais puro credo oficial.

E ainda provavelmente uma menor autonomia do prefeito eleito, que não dá sinal algum de que é capaz de andar com as próprias pernas.

Assim, Manaus repete a eleição estadual de 2018, ou quem sabe muito antes? É tudo quase igual por aqui há muito tempo.

Abaixo do nada, sobra a névoa indiscernível.


Imagem - https://d.emtempo.com.br/amazonas-cidades/137766/em-duas-horas-choveu-em-manaus-o-esperado-para-10-dias-diz-sipam