Poema: Olhos do Tempo, por Miller Brito

16/05/2020

Eles que te viram brotar
Na magia do alvorecer
Na inocência do ser.

E no teu intraduzível grito
Viram teus despertares
Tuas inseguranças
Enxergaram o tornar-se.

Eles que te acompanham
Nessas tuas metamorfoses
De um vaso de barro
Mistérios da criação.

Eles que te compreendem
Entendem o teu silêncio
Teus turbilhões de emoções.

Mero poeta que penso que sou
Invejo os olhos do tempo
Que vivem a te acompanhar.

Nas memórias da alma
Desenhei o teu sorriso
Mas tudo é tão simples
Não tenho os olhos do tempo.


* Poema publicado originalmente no blog Poeta Das Amarguras. Pode ser acessado em: 

https://poetadasamarguras.blogspot.com/?m=1