Poema II, por Luana Aguiar

19/09/2020

E aquilo que restou foi
o mesmo que morreu:


uma mão sobre a outra,
o vestido azul rodado


e, sabe Deus, o beijo
- sujo - de despedida


nunca dado.