Poema: Faíscas, por Miller Brito

23/05/2020

Faíscas *

Permanecia ali, deitado
Nunca fora um de seus sonhos
Deitar em um lago congelado
Mas ele estava lá.

Não sentia-se pronto
Mas esperava por ela
A outra não tinha sentido.

Elas o mantinham lá
Alimentando suas ilusões
A inconformidade humana .
A respiração escassa

O último adeus
Tudo em faíscas.


*Poema publicado originalmente no blog: Poeta das Amarguras. Pode ser encontrado no link: 

https://poetadasamarguras.blogspot.com/2020/05/faiscas.html?m=1