Poema: Degraus, por Miller Brito

25/09/2020

Dignamente ela se eleva

Em meu planejado declínio

Outros escolhem por mim.


Degraus abaixo, está o destino do perverso

Degraus acima, Ícaro jaz em sua glória

Recusam a minha ambivalência.


Ela disse que juntos subiríamos

Mentira, meus passos não alcançaram

Não eram os meus próprios degraus.


Ela disse que um estranho eu seria

Não seria amigo nem inimigo

Um obstáculo sem importância.


Classificado como uma peça defeituosa

Renegando-me ao direito de reparação

Meus passos só cabem nos meus degraus.


Agora ela apenas me vê como estranho

Imagina o que estará em minha lápide

E eu lhe imploro que assim escreva:

-Aqui jaz aquele que recusou os padrões.



Poema originalmente publicado no blog Escrevendo a Eternidade, e que pode ser encontrado aqui: 

https://www.escrevendoaeternidade.com/2020/09/poema-degraus.html?m=1