O plano B, por Victor Leandro

25/06/2020

Estava muito claro que, sem uma retomada incisiva da esquerda na cena política, o establishment iria se colocar de novo numa situação de protagonismo, buscando mais uma vez angariar meios para fazer avançar as pautas de seu interesse e pôr em prática aquilo que pode ser parcamente chamado de seu plano B.

E que plano é este? Ora, é bastante óbvio que ele só pode ser a refiguração do mesmo. Na ausência de uma liderança política mais forte, resta praticar ajustes a fim de minimizar os prejuízos do não-governo, enquadrando-o de modo a convertê-lo numa fera domesticada, capaz de esbravejar na direção dos inimigos ao mesmo tempo em que lhe obedece. Nisso, a própria imprensa oficial já vem cumprindo o seu papel, baixando a temperatura e procurando contemporizar as denúncias que proliferam, num claro sinal de que a melhor alternativa permanece sendo a degradação que aí se encontra, a qual, por pior que seja, segue firme nas reformas ultraliberais.

Isso a votação de ontem acerca do saneamento mostrou-o muito bem. Somente sob o comando de fundamentalistas do capital tais decisões seriam tomadas numa pandemia. E, enquanto Bolsonaro oferecer essa vantagem, não é nada atrativo às classes dominantes defenestrá-lo por razões quaisquer que sejam.

Em resumo, o plano B da centro-direita contra Bolsonaro é Bolsonaro. Somente o povo pode reverter esse estado de coisas. Por isso, não cabe nenhuma trégua. Tudo que nos cabe é seguir cada vez mais firmes na luta.