MEGALOMANIA, United States, ou a maior democracia do mundo, por Victor Leandro

06/11/2020

Uma pessoa pode dizer de si o que quiser, e uma nação também. Porém isso não quer dizer nada. Todavia, não deixa de ser uma notícia boa que os EUA se proclamem os grandes arautos democráticos, pois isso prova uma verdade mais do que latente: é impossível achar uma democracia burguesa.

Porque nela o que persevera nunca são os interesses populares, mas sempre os do grande capital. Ali, todas as conquistas coletivas, suadas e sofridas, são ponderadas por uma ordem que inibe sua plenitude, a fim de manter o status quo. Trata-se de um fracasso e uma doença, que só a revolução pode curar. Porém lá o marxismo também é democraticamente reprimido.

Alguns dirão que a vitória de Biden refuta os argumentos aqui expostos, e que a bagunça eleitoral vigente é apenas resultado das infantilidades pessoais do presidente Trump. Contudo, ao mencionar seu nome, evidencia-se a origem básica do contrassenso, pois, se Trump faz o que faz, é porque foi colocado em condição de fazê-lo. Que democracia séria permitiria que ele fosse presidente? É um caso inaceitável que todos lá estejam como estão.

Mas permanece ainda o orgulho americano, bem como a submissão dos paspalhos que andam por aqui. Tardará ainda um tempo para que saibamos de fato por inteiro os rumos da mudança, que certamente não vem do Partido Democrata. De todo modo, seguimos adiante. Make america greate one day.