FVS Amazonas e a ingaia ciência, por Victor Leandro

10/09/2020

Já faz mais de um século que Nietzsche nos alertou quanto à suspeita que deveria ocupar-nos quando tratássemos do homem científico. Indubitavelmente, esse também fracassará no ideário de suas crenças. Isso já se viu e continua-se vendo em praça pública, como no lamentável episódio de Átila Iamarino e a vacina russa. Mas, existem exemplos mais próximos.

Ou então olhemos para nossa FVS, que acabou de soltar uma nota pública repudiando as suspeitas de segunda onda no estado levantadas pela FIOCRUZ. Para uma instituição científica, já é de se estranhar o tom moralizante com que toma a questão. Ora, se há inconsistência nos estudos, elas deveriam ser apontadas na pesquisa e não no texto de repúdio, o que denota tão somente o caráter político da declaração e da instituição. Ademais, chega a ser curioso observar a completa falta de parcimônia e cautela com que a entidade local se comporta frente à pandemia, num discurso que forma um contraponto assumido contra as normas pregadas pela maioria dos órgãos de ciência, deixando claro que há ali uma visão que não tem nada a ver com o debate epistêmico.

O que podemos concluir então disso? O mesmo que foi dito antes. A verdade que se manifesta é a de que a ciência é feita por seres humanos, e é direcionada conforme os seus interesses e motivações. Logo, não atentar para estes é retirar da prática científica boa parte do que a move e constitui, e contribuir para sua teologização. Se os achados científicos não são vacas sagradas, então é preciso desconfiar deles sempre, inclusive nos seus parâmetros mais básicos e internos. Essa é a lição que Karl Popper nos legou como antídoto para o delírio de uma cientificidade acrítica.

Porém, ao que parece, nada disso pela cabeça de nossas autoridades sanitárias. Em suas mentes, circula apenas a ordem única de que tudo deve estar bem. E assim as pessoas morrem no estado, para o que a FVS tem apenas a dar umas notinhas de revolta. Se isso é a ciência, é melhor acreditar em poderes míticos. fides salvet!