Fraude eleitoral, por Victor Leandro

24/08/2020

Quem fraudou as eleições presidenciais de 2018? Todos os postulantes que venceram. Mas não somente eles, sem dúvida. Há também cúmplices cotidianos, assim por dizer, os quais seguem dando prosseguimento à estupidificação da política. Afinal, é preciso manter o estado de coisas. A miséria do real é o quadro saudável para a propagação da estultice.

Sim, são eles mesmos, esses tais 30%. A parcela nacional de mentirosos contumazes, incorruptíveis em sua pequenez. Defenderam o combate à corrupção para abraçar um corrupto. Pregaram o Estado mínimo e hoje exaltam o Pró-Brasil. Queriam democracia, e veem com bons olhos quebrar a boca de jornalistas. São contra privilégios, menos quando o caso envolve militares e os seus. E assim segue. A lista é longa. É infinita a hipocrisia.

Foram essas figuras toscas e aberrantes que tornaram a vitória do número 17 possível. Já por agora, são as que viabilizam sua permanência. Não se envergonham. Apenas lhes importa continuar no malabarismo dos falsos argumentos. A estupidez é sua palavra de ordem. No mais, é cumprir a meta. O imbecil deve progredir.

Diante disso, eles permanecem de olhos atentos. Daqui a algumas semanas, teremos eleições de novo. Mesma fraude, mesmo festival de mentiras. Vencerão? Tudo depende do quanto irá esconder-se a crítica que os dissipa.