E daí?, por Victor Leandro

07/07/2020

Para além das piadas, há um conflito ético verdadeiro em desejar a morte pelo coronavírus do suposto presidente. Mas este é um problema de princípio e não de uma banalidade sentimental, do tipo que vem sendo difundida por figuras como Vera Magalhães, que reduzem a questão a frases feitas do tipo "fracassamos como sociedade", a qual pode até ser válida, mas não por esse motivo.

De fato, dentro de uma lógica imperativa humanitária, querer que Bolsonaro morra é reprovável, no sentido propagado por muitos de que toda vida humana importa. Nisso, algumas alas moralistas da esquerda são pegas no contrapé, posto que foram de encontro ao seu próprio argumento nessa manifestação aberta de outrora recônditos desejos.

Entretanto, tal é somente uma das perspectivas. Se, por outro lado, adotarmos uma moral utilitarista, que preza pelas melhores consequências, a anulação do mandatário oficial, contanto que não seja provocada por ações que destruam a legalidade constituída do Estado, revela-se não somente desejável, mas também conveniente, considerando os prejuízos causados por ele à saúde e à vida de milhões de brasileiros. Logo, como fonte de males muito maiores, torcer contra seu bem-estar torna-se uma tarefa ética bastante aceitável, uma vez que viabiliza a existência de inúmeras outras vidas obstadas por sua política de morte.

Mas claro, esses são debates que parecem por demais filosóficos e racionais, e vão pouco ao gosto da chamada opinião pública. Nela, tais considerações são exageradamente frias, e o que persevera são os afetos imediatos, pautados por julgamentos de direita e de esquerda, em que todos estão atentos apenas para qualquer falha discursiva do inimigo.

Tudo isso para dizer também que não muda nada quanto à ordem dos eventos o desejarmos ou não Bolsonaro extinto. Dos limites dos desejos, os torcedores de futebol entendem bem. Contudo, enquanto fato social, é patente que sua alardeada doença não provoca comoção nenhuma. Já seria demais pedir ao tão maltratado povo que tentasse fingir compadecimento.


Imagem - https://www.msnoticias.com.br/editorias/politica-mato-grosso-sul/bolsonaro-da-indicios-de-que-mentiu-ao-povo-sobre-exame-de-covid-19/97644/