Circus Minimus, por Victor Leandro

25/05/2020

O segredo do secreto é não ter nenhum segredo. De igual maneira, diz-nos Baudrillard, o único escândalo verdadeiro no capitalismo é ele mesmo. No mais, o que existe são fracas trepidações. Dessa forma, o estarrecimento diante dos falsos dizeres da pretensa reunião ministerial não se justifica. É possível até mesmo considerar que a reação programada pelos asseclas e apoiadores é a única plausível. Em sua cretinice insana, há uma verdade implícita, e que aparece em seus gestos como se todos eles se dirigissem a nós com uma pertinente questão: mas vocês não sabiam que éramos assim? Não conseguimos ver motivo para tanta surpresa.

Mas nada disso quer dizer que o vídeo e seus impropérios devem passar em branco. Ao contrário, eles são o motivo maior por que bolsonarada deve cair. Entretanto, isso pode se dar apenas se sairmos do terreno ardiloso da guerra propagandista e retórica. Nela, a fake política tem plena dominância, e mesmo a oposição não faz mais do que corroborar esse domínio, discutindo suas rasas afirmações e com isso legitimando-as enquanto argumento. No mísero espetáculo de Damares e companhia, o papel dos que lhes respondem é de uma torcida adversária, cuja função é apenas animar a audiência, conferindo uma atmosfera estimulante de disputa ao evento.

Mas o que resta então a ser feito? Faz-se necessário nada além do que uma redução fenomenológica, dirigida pelo texto constitucional. O que interessa constatar é que, à luz do signo da lei, ali foram dados vários indícios de crimes. Dessa maneira, a bravataria antigovernista pode desmoronar, uma vez que seu artifício ruidoso de provocar vazias discussões será posto a pique.

Se tais atos irão surtir prático efeito, isso depende da adesão geral às diretrizes seguidas. De qualquer maneira, é preciso instar a oposição a sair dos debates inúteis, e parar de ser figurante nesse péssimo circo. Por trás das frases mal ditas, não existe nenhum segredo. Já está ficando muito tarde para descobrirmos isso.