Brasil jurássico contra o trem da história, por Victor Leandro

20/10/2020

Ainda é cedo para comemorar, porém existem fortes sinais de que a febre reacionária no continente está passando. A vitória socialista incisiva, democrática, popular e redentora na Bolívia foi o indicativo mais forte de que as políticas conservadoras liberais não têm mais nada o que fazer por aqui. Resta apenas retirarem-se para o pântano de sua irrelevância.

Daqui a alguns dias, também serão realizadas as eleições americanas, e a vitória do democrata Biden é iminente. Sem dúvida, há que se olhar com reservas para tudo que advém do imperialismo Yankee. Entretanto, não deixa de ser também um contrafluxo para a escalada do obscurantismo.

E o Brasil? Bem, com toda essa guinada progressista, seu isolamento e anacronismo estão cada vez mais evidentes. Afora algumas ditaduras perdidas no mapa-múndi, não há mais ninguém que queira alinhar-se com sua política de dinossauros. Desse modo, o mais provável é que recaia no exotismo anacrônico e perdido, contra o qual cabe somente um levante conspícuo.

E pensar que tivemos a oportunidade de ser a nação a capitanear tais processos por inteiro, bastando apenas persistirmos numa política social-desenvolvimentista. Contudo, perdemos. O trem da história nos atropelou de novo. Nosso destino é correr atrás do prejuízo. Assim seguimos.